Aprenda a fazer promoções inteligentes

Estamos na época das promoções de troca de estação. Descontos e mais descontos decoram as vitrines da cidade buscando atrair consumidores para dentro das lojas.  Mudam-se as fachadas, mas os apelos continuam sempre os mesmos. Estimular vendas é sim muito importante, mas é preciso cuidar para não cair em um processo vicioso que deixa seus consumidores mal acostumados e aos poucos vai tirando valor da sua marca.

Acrescente um toque de criatividade nas suas promoções. Inove! Surpreenda seu consumidor.

Busque criar mecanismos de promoção que estimulem seu cliente a aumentar o ticket de compra. Não dê desconto apenas por dar, exija uma contrapartida do seu cliente. Crie kits de produtos, estimule a compra da segunda ou terceira peça, associe o valor do desconto ao valor da compra ou número de peças. São muitas as alternativas.

Com uma boa estratégia promocional em mãos, não se esqueça que também é importante fazer uma divulgação adequada, preparar seu ponto de venda para envolver o consumidor na sua promoção e, principalmente, treinar seus vendedores, pois o atendimento ainda é o grande diferencial.

A promoção inteligente é aquela que recompensa o cliente que faz uma boa compra. Pense muito bem antes de sair queimando tudo. Afinal, promoção exige planejamento, estratégia e objetivo.

Grande abraço.

Deixe seu comentário.

22/08/2011 at 7:57 1 comentário

Redes sociais fazem surgir novas carreiras

Reportagem de Ligia Tuan para o Jornal da Tarde

Contar o número de cliques em um link, o tempo médio de visualização de um vídeo, fazer relatório de quantos retuítes um post recebeu no Twitter. Agora, essa atividade é uma profissão. E bem procurada no mercado. Isso porque as empresas começaram a entender que divulgar conteúdos nas redes sociais – como Facebook, Orkut e o próprio Twitter – trazem um retorno importante para os negócios. Mas faltam especialistas para desempenhar a função.

“Redes como o Facebook abriram um novo mercado e as empresas estão tendo resultados, divulgando produtos e serviços para o público que interessa”, conta Yara Rocca, especialista em comunicação empresarial e mídias sociais. “Para isso, são necessários profissionais qualificados, porque a demanda é enorme”, diz.

Segundo dados de maio do Ibope, 36,4 milhões de pessoas no País usam pelo menos um dos três sites de relacionamento (Facebook, Orkut ou Twitter). O número representa 80% de todos os usuários que navegaram no mês.
E são profissões como analista de redes sociais, analista de métricas e especialistas em marketing digital que estão surgindo para suprir essa demanda. “A pessoa tem de entender de planejamento de comunicação, segmentar público e produzir conteúdo relevante”, aponta Yara.

Outro requisito é gostar de navegar pelas redes sociais. “Para quem quer entrar nessa área, o primeiro passo é ser um consumidor de mídias sociais”, afirma a coordenadora do curso de extensão em comunicação e mídias sociais da Faap, Andrea Mello.

E quem preenche essas vagas são sobretudo jovens entre 20 e 30 anos, justamente por terem mais intimidade com o meio. “Tem que entender da linguagem, da tecnologia e do timing das redes sociais”, explica Rafael Lamardo, professor de pós-graduação em marketing digital da ESPM. “É uma oportunidade que os jovens devem aproveitar e uma porta de entrada nas empresas, pois os negócios estão cada vez mais sociais.”

administrador de empresas, Paulo Gonçalves, de 26 anos, começou a se especializar na área de mídias sociais (Foto: André Lessa/AE)

Oportunidade que o administrador de empresas, Paulo Gonçalves, de 26 anos, agarrou, quando começou a notar a necessidade crescente do mercado. “Abri uma empresa de webdesigner, a Avanti, há cinco anos. Mas há pouco tempo comecei a me especializar na área de mídias sociais.”

Como o mercado ainda não oferece graduação para quem quer atuar na área, Paulo foi atrás de cursos, palestras e leu livros sobre o assunto. “Hoje, se um cliente para quem eu desenvolvo o site não tem conteúdo disponível em mídias sociais, eu indico e faço o trabalho”, conta o empresário.

Quem inicia nessa área pode começar ganhando R$1,5 mil, segundo Yara. “Dependendo da empresa e da experiência, pode ganhar até R$ 10 mil, embora ainda não existam muitos profissionais neste patamar no Brasil.”

21/06/2011 at 9:33 Deixe um comentário

O Óbvio

Às vezes, é possível conseguir um grande feito fazendo algo tão pequeno, tão insigificante — para nós — que ficamos surpresos. Os americanos usam a expressão no-brainer para descrever algo que fazemos sem nos darmos conta de tão fácil ou óbvio que é.

O óbvio é assim, uma espécie de modo automático de pensamento. Acontece que o marketing trabalha com pessoas, e o consumidor talvez seja o mais heterogêneo grupo que existe.

Um bom marqueteiro entende isso, conhece o seu produto, mas conhece muito mais o público. Max Gehringer tem uma história para nós, contada no seu livro “Pergunte ao Max”:

Trabalhava em uma empresa que produzia batatinhas fritas. Tínhamos uma liderança enorme e folgada, coisa de 70% do mercado. Um dia, um concorrente escreveu no pacotinho de batata dele: “Não contém colesterol”. Uma semana depois, nossos gerentes começaram a ligar, perguntando se também iríamos eliminar o colesterol de nosso produto. Respondi a eles que nossa batata não tinha colesterol. Era óbvio. Batatas são fritas em óleo vegetal, e óleo vegetal não tem colesterol. Só gordura de origem animal tem colesterol. Mas o que era óbvio para mim, não era óbvio para o consumidor. As vendas começaram a cair, até que me rendi ao óbvio. Pedi para escrever bem grande no pacotinho: “Totalmente sem colesterol”. As vendas voltaram ao normal. Houve até consumidor que escreveu elogiando o “novo sabor” da batatinha. Aprendi que, nas empresas, boa parte dos mal-entendidos ocorre porque a gente esquece de repetir o óbvio.

Extraido do site: www.pequenoguru.com.br

01/08/2010 at 18:24 Deixe um comentário

Estratégia de marketing da Heinekem Itália – Você escolhe: futebol ou música clássica!

Ousada estratégia de marketing da Heineken. Vale a pena ver!

 Em uma inusitada estratégia de marketing a Heineken Itália fez um desafio para alguns chefes, professoras e namoradas para que convencessem seus funcionários, alunos e namorados a trocarem uma importante partida de futebol entre Real Madri e AC Milan por um show de música clássica.

Link do vídeo:

http://www.youtube.com/watch?v=tEqJV1acgN4

Assista o vídeo e deixe seu comentário! 

11/04/2010 at 16:45 2 comentários

O Marketing no Globo da Morte!

Lembra da sua infância quando o Globo da Morte era grande atração do circo? O apresentador, geralmente o dono do circo, um cara de voz forte e marcante, bem entonada anunciava:

“É chegada a hora do grande espetáculo do circo. O momento em que todos estão esperando. Vai começar o show da emoção no Globo da Morte! Motos girando a toda velocidade! É preciso muita atenção e muita calma, pois em qualquer erro a queda será certa…”

E a música começava a tocar e logo se misturava com o barulho do motor das motocicletas enlouquecidas dentro do globo…

Lembro que as apresentações eram com duas ou três motos, quatro no máximo. E já parecia tão difícil!

Hoje, quando resolvi buscar no youtube vídeos de Globo da Morte para colocar neste post, me deparei com apresentações com sete e até nove motos dentro do globo. Pensando bem….as apresentações com SÓ quatro motos nem eram TÃO difíceis assim!

Qualquer semelhança com a realidade vivida hoje no marketing é mera coincidência.

Pense um pouco comigo:

– As apresentações estão cada vez mais desafiantes! Isso é meio lógico, pois com tanta gente disputando o mesmo espaço, sair vivo dali já é uma grande vantagem. A quantidade de motos no globo aumenta a cada dia e ficar ali dentro, em movimento, não é pra qualquer um.

– A apresentação não é individual, é coletiva! Se um erra, todos podem ficar comprometidos. É algo que exige habilidade individual, para se ter a sincronia coletiva. Tudo influencia e tudo faz diferença no desempenho. O marketing que funciona é conectado, é aquele que entende que resultado é conseqüência do desempenho de cada uma das partes e que pequenos erros podem comprometer o todo.

E por aí vai…

Me ajude a encontrar outras coincidências deixando seu comentário…

Obrigada por acompanhar meu blog!

03/02/2010 at 10:42 6 comentários

NADA MAIS, NADA MENOS que…

A história começou com o celular novo do Pingo, o meu cunhado (o apelido e a altura não são mera coincidência). Orgulhoso ele veio me mostrar o celular novo dizendo: “é NADA MAIS, NADA MENOS que o celular que tá na Quatro Rodas deste mês”.

O tal do NADA MAIS, NADA MENOS me fez pensar. Foi assim que eu percebi que estas poucas palavras eram uma genial definição de marketing.

Quando o NADA MAIS, NADA MENOS vem junto na frase, ele realça o significado daquilo do que se está dizendo. Esse simples jogo de palavras na frente de uma afirmação passa a ideia de que aquilo é único, é o que promete ser, o melhor.

Não é de uma hora para outra que colocamos um produto, serviço ou uma marca no topo da nossa preferência. Ser um produto NADA MAIS, NADA MENOS não é para qualquer um. Envolve atração, orgulho, devoção. Sentimentos estes nada fáceis de estimular.

A sensação do NADA MAIS, NADA MENOS é resultado de uma combinação perfeita (se é que isso é possível) de elementos que promovem uma percepção de tanto valor que produto torna-se totalmente necessário para que a pessoa tenha suas necessidades seus desejos plenamente satisfeitos.  Ou seja, isto é NADA MAIS, NADA MENOS que marketing.

Grande abraço!

08/09/2009 at 23:51 9 comentários

Os produtos são todos iguais, o VALOR que o cliente percebe é o que os diferencia.

Antes falavam em COMUNICAR valor ao cliente. Hoje o sentido mudou significativamente, especialistas falam agora em CRIAR valor para o cliente.

Mais uma vez repito, pois já disse isso em outras postagens, não é possível mais se diferenciar apenas pelo produto que vendemos. Produtos substitutos, copiados, aperfeiçoados estão prontamente disponíveis por aí e certamente por preços bastante atraentes.

Não basta apenas COMUNICAR, é preciso CRIAR valor, fazer o cliente perceber que a sua empresa é diferente e merece a preferência.
Quem ainda tenta vender seus produtos usando argumentos de qualidade, vantagens, benefícios, ainda não conseguiu perceber a realidade.
As pessoas estão procurando por empresas que criam e entregam valor para seus clientes, por meio da excelência no atendimento, conveniência, comodidade, consultoria, confiança e muitos outros fatores que sua empresa precisa descobrir.
Se hoje em dia dificilmente vemos empresas que entregam o que prometem, é bem provável que aquelas que souberem entregar uma EXPERIÊNCIA que seja percebida pelo cliente como algo de valor para ele serão as premiadas com a preferência e a confiança do cliente.  

Grande abraço, Camila Kluppel

27/08/2009 at 21:16 6 comentários

Posts antigos


Tópicos recentes

Mais Acessados

  • Nenhum

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.